Descubra tudo o que você precisa saber sobre o colesterol alto

Compartilhar

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), há uma estimativa de que mais de 2 milhões de mortes no mundo são por causa dos efeitos do colesterol alto.

Dados assim fazem a gente refletir a respeito do estilo de vida que adotamos, afinal, o aumento do estresse em conjunto com o consumo desenfreado de alimentos gordurosos pode ocasionar doenças cardíacas.

Para proteger a sua família e, principalmente, cuidar bem de si, acompanhe a leitura e confira um compilado de informações básicas sobre colesterol e como lidar com ele!

O que é colesterol e para que ele serve?

Por mais que esteja impregnado na mente das pessoas que o termo colesterol é algo ruim, olhando a situação mais a fundo veremos que não é bem assim que funciona.

O colesterol em si não é nocivo e faz parte do grupo lipídico dos esteroides naturais, ou seja, é um tipo uma gordura que promove a estrutura das membranas celulares. 

Pode-se encontrar essa molécula no fígado, intestino, músculos, pele, nervos, cérebro e até no coração, sendo importante para o funcionamento regular do nosso organismo.

Para ter noção da sua importância, ele é a base de hormônios como testosterona e estrógeno, bem como a produção de vitamina D e ácidos biliares (bons para digestão).

No entanto, assim como acontece em várias ocasiões da vida, tudo que é em excesso pode proporcionar malefícios para a nossa saúde e o colesterol não foge disso.

O acúmulo de colesterol nas artérias pode se solidificar e, com isso, gerar depósitos de gordura, gerando bloqueios na circulação de sangue, nutrientes e oxigênio.

Quais são os tipos de colesterol?

Todavia, quando falamos de colesterol é preciso discernir de qual está sendo exposto, isso porque existem dois grandes tipos de lipoproteínas que conduzem essa molécula.

O primeiro, chamado de LDL (Low Density Lipoprotein), é mais desajeitado ao transportar o colesterol e costuma acumular substâncias nas artérias.

Enquanto o segundo, conhecido como HDL (High Density Lipoprotein), tem a missão de recolher a sujeira do primeiro e conduzir o acúmulo até o fígado.

Basicamente, o LDL é mais ligado ao “lado sombrio da força” e quer promover a desordem, mas o HDL está sempre apostos para gerar o equilíbrio das funções.

Nunca é demais lembrar que o entupimento das artérias pode resultar em doenças cardiovasculares, como o risco de infarto e derrame.

No exame de sangue, torna-se importante saber que o nível de referência ideal de colesterol total é abaixo de 190 mg/dL, mas também é possível verificar frações:

  • LDL — tem como premissa um valor referencial abaixo de 130 mg/dL em pessoas saudáveis e 70 mg/dL em pessoas com quadros de risco;
  • HDL — em contrapartida, quanto maior o índice, melhor para a pessoa, sendo que deve ter níveis maiores que 40 mg/dL.

Quais são os principais sintomas e causas do colesterol alto?

A princípio, o colesterol alto não vai ligar um alerta vermelho como a febre faz em relação às bactérias e vírus. Então, o acúmulo de gordura acontece silenciosamente.

Porém, em níveis realmente muito altos, a pessoa pode sentir palpitações, dores no peito e uma falta de ar recorrente, sendo agravante até nos casos de COVID-19.

O cuidado de medir os níveis de colesterol deve, principalmente, partir de pessoas que estejam acima do peso ideal, muito por conta de uma alimentação desregulada.

O sedentarismo e o consumo exagerado de frituras, por exemplo, só facilitam o trabalho do LDL para formar bloqueios na corrente sanguínea.

Quais são os fatores de risco?

Assim como ocorre em muitas das doenças existentes, claro que há alguns fatores de risco que desencadeiam maiores possibilidades de apresentar um colesterol ruim alto.

Além de se empanturrar de gorduras saturadas presentes em vários alimentos industrializados, o consumo de bebidas alcoólicas também é preocupante.

Nesse mesmo sentido, parar de fumar agora mesmo pode fazer um bem enorme para o seu corpo, tendo em vista que as substâncias do cigarro se acumulam nas artérias.

O histórico familiar também é outro agravante. Isso porque é possível herdar os genes de familiares com colesterol alto e ter que fazer um acompanhamento desde a infância.

Apresentar um Índice de Massa Corporal (IMC) igual ou maior do que 30 pode não só aumentar o risco de colesterol, como evidenciar um quadro sério de obesidade.

Além disso, mulheres no período da menopausa tendem a ter níveis mais elevados de LDL do que os homens. Esse é um agravante perigoso para doenças coronárias.

 

Quais alimentos ajudam a reduzir o colesterol? 

Levando em consideração que 30% do colesterol que circula no nosso corpo é proveniente da dieta adotada, ter uma alimentação balanceada faz a diferença.

Modificar o estilo de vida por meio de exercícios físicos e alimentação saudável é o ideal. Portanto, trouxemos alguns alimentos que favorecem o HDL e reduzem o LDL.

Peixes 

Sendo uma excelente fonte de ômega 3, que é uma espécie de gordura boa para o organismo, os peixes são primordiais no aumento do colesterol bom.

Com um consumo de duas a três vezes na semana, por exemplo, torna-se possível reduzir os triglicerídeos na corrente sanguínea e proteger o seu coração.

Frutas

Especialmente aquelas que contém muita fibra e boas doses de vitamina C, casos da laranja, maçã, pera, ameixa e limão, as frutas são incríveis para aumentar o HDL.

Nesse combo saudável, pode-se incluir também o abacate, que é rico em ácido oleico, uma gordura monoinsaturada que diminui a absorção do colesterol no intestino.

Feijão

Presente no prato de boa parte dos brasileiros, o feijão libera açúcar lentamente no corpo e em menores quantidades, sendo ainda rico em fibras solúveis.

O alto índice de proteínas e fibras do feijão fazem uma verdadeira faxina, limpando as gorduras acumuladas no fígado e, especialmente, no caminho do coração.

Soja

Sendo riquíssimo em isoflavonas, que tem as mesmas propriedades do estrógeno, a soja inibe o comportamento inadequado do LDL e incentiva o aumento de HDL.

Consumida com frequência, tende a ter um efeito positivo nos níveis de colesterol total, além de ajudar o trânsito intestinal e minimizar o risco de câncer de mama.

Por fim, vale ressaltar que crianças e adultos devem se preocupar com o colesterol alto e verificar seus níveis. O acompanhamento de clínicos gerais, endocrinologistas ou cardiologistas é essencial, dependendo da situação.

Se você achou o texto interessante e quer saber um pouco mais sobre assuntos desse tipo, veja agora mesmo a importância de fazer um check-up médico completo!

Comentário no facebook

Categorias